Nossa Senhora de Cuapa - 4ª aparição

A Quarta Visão

Dia oito de setembro fui ao local das aparições esperando o encontro que não havia acontecido em agosto. Novamente fui acompanhado por várias pessoas; havia também algumas crianças. Estávamos rezando o Rosário, e assim que terminamos eu vi um relâmpago. Somente a luz dele foi vista. Estava claro; não havia sinal de chuva. Pensei e disse: "A Senhora está para chegar!" Outro sinal era a grande alegria interior quando estou para vê-La. Então vi um segundo relâmpago - que é sempre o que a faz aparecer - e eu A vi sobre uma nuvem. A novem estava sobre o Morisco que já estava sem folhas - o povo de Cuapa as estava tirando pouco a pouco - a pequena árvore, plantada no meio do (?) e dos espinhos de (Dormilona?) parecia seco; porque o Morisco é marrom e sem folhas parecia que estava seco. Mas não, não estava seco; se se arranhar a casca que é fina, ele estava verde por dentro. Dessa forma, sobre tudo isso, estava a Virgem Maria. Eu a vi como uma criança. Linda! Mas pequena! Ela estava vestida em uma túnica de cor creme pálido. Não tinha um véu, nem coroa, nem manto. Nenhum adorno ou bordado. O vestido era longo, com mangas longas, e tinha um cordão rosa na cintura. Seu cabelo caía até os ombros e era castanho. Os olhos também, embora muito mais claros, quase da cor do mel. Toda Ela irradiava luz. Parecia como a Senhora, mas era uma criança.

Eu olhava para Ela maravilhado sem dizer uma palavra, e então ouvi Sua voz como de uma criança... uma criança de sete... oito anos. Com uma voz extremamente suave Ela me deu a mensagem; totalmente idêntica. Ao final, pensei que, como Ela era uma criança, seria mais fácil para ela permitir-se ver pelos outros que me acompanhavam. Esse era meu esforço. Disse a mim mesmo: "Os outros devem poder vê-La!" E Lhe disse: "Permita-se ser vista para que todo o mundo acredite. Estas pessoas que estão aqui querem vê-La." As pessoas podiam me ouvir, mas não a Ela. Falei bastante com Ela tentando fazer com que se permitisse ver, mas depois de me ouvir Ela disse:

"Não. É suficiente que você lhes dê a mensagem porque para aquele que acredita será suficiente, e para aquele que não acredita, mesmo que me veja ele não acreditará."

Estas palavras Dela foram cumpridas. Agora posso ver a descrença ou a fé de uma pessoa. Há indivíduos que vêm sem procurar ver nenhum sinal; a mensagem é suficiente para eles, eles a recebem. Alguns têm grandes necessidades... eles não pedem um milagre, não pedem curas, preferem acreditar no Senhor. Já outros que através dos sinais vieram a acreditar. Conheci um homem que, cheio de alegria, me disse: "Bernardo, agora acredito que a Virgem apareceu. Você é feliz! Eu também A vejo!" E ele indicou o lugar. Era na velha capela, onde era o altar antes. Poucos metros além estava outro homem que, ao me ver passar, me disse cheio de indiferença: "É verdade que está lá. Mas não é nada mais do que seres de outros planetas. Eles estão (?)" Isto ocorreu no dia 7 de maio de 1981, véspera do primeiro aniversário da primeria aparição.

Então não insisti mais que Ela permitisse que fosse vista, mas em vez disso falei a respeito da igreja que as pessoas queriam construir em Sua honra. Padre Domingo nos disse que essa era uma decisão que ele não poderia tomar, e que devíamos contar à Santíssima Virgem. Por isso apresentei esta questão a Ela. Porque um homem de Matagalpa já nos havia dado C$80,00 córdobas para esse fim. Ela me respondeu dizendo:

"Não. O Senhor não quer igrejas materiais. Ele quer templos vivos, que são vocês mesmos.
Restaurem o sagrado templo do Senhor. Em vocês está a satisfação do Senhor."

E Ela continuou, dizendo:

"Amem-se. Amem uns aos outros. Perdoem-se uns aos outros. Façam a paz. Não peçam por ela antes.
Façam a paz!"

Eu perguntei o que deveria fazer com as C$80,00 córdobas que tinha em minhas mãos. Eu me perguntava se deveria devolvê-las. Ela me disse para doá-las para a construção da capela em Cuapa. E acrescentou:

"Deste dia em diante, não aceite nem um centavo para nada."

Depois ela me disse para não chamar "igreja" a coisas materiais porque a igreja e os templos (são) nós mesmos; que as capelas são casas de oração. Às vezes, por hábito, eu me engano e digo "igreja" em vez de "capela".

Nesse momento, me veio uma dúvida na cabeça. Eu havia pensado em perguntar a Ela sobre esta dúvida porque não sabia se continuava no catecumenato. Fiz isso para saber o que Ela me aconselhava. Ela me disse:

"Não. Não deixe. Sempre continue firme no catecumenato. Pouco a pouco você compreenderá tudo o que o catecumenato significa. Como um grupo da comunidade meditem sobre as beatitudes, longe de todo o barulho."

Mais tarde ela acrescentou:

"Não vou retornar no dia 8 de outubro, mas no dia 13."

Então a nuvem A elevou. Como das outras vezes... quando A via.


Veja também:
Nossa Senhora de Cuapa
Aparições de Nossa Senhora na Nicarágua, pedindo a devoção do terço e a reparação dos Cinco Primeiros Sábados. Compartilhe: