Nossa Senhora de Genazzano

Nossa Senhora do Bom Conselho (em latim Mater boni consilii) é uma das invocações da Virgem Maria. Com a mesma intenção ela é chamada de Mãe do Bom Conselho, Nossa Senhora de Shkodra (Scutari), Nossa Senhora dos Bons Serviços e Santa Maria do Paraíso. Esta devoção está centrada num ícone da Virgem atualmente exposto em Genazzano, Itália, na Igreja de Nossa Senhora do Bom Conselho.

As origens do ícone são envoltas em lendas e milagres. A história se divide em duas partes. A maioria dos relatos liga uma imagem de Nossa Senhora de Shkodra (Bom Conselho) cultuada na Albânia e o ícone atualmente venerado na Itália.

(Imagem: O ícone de Nossa Senhora seguido pelos soldados, sobre o Mar Adriático)

Na Albânia, Nossa Senhora era venerada desde tempos muito antigos sob este e outros títulos. Um deles é o de Zoja e Bekueme (Senhora Bendita), e havia muitas capelas a ela dedicadas. Especialmente uma delas, localizada em Scutari onde havia um ícone da Virgem, se tornou um centro de peregrinação durante as guerras contra os otomanos.

Em janeiro de 1467 morreu o último grande líder albanês, Jorge Castriota, melhor conhecido como Skanderbeg. Elevado por um chefe albanês, ele se colocou à frente do seu próprio povo, inflingindo impressionantes derrotas ao exército turco e ocupou fortalezas por toda a Albânia. Com a morte de Skanderbeg, o exército turco voltou para Albânia, ocupando todas as fortalezas, cidades e províncias com exceção de Scutari, no norte do país. No entanto, sua captura era esperada a qualquer momento. Com sua queda, a Albânia cristã seria derrotada. Diante desta perspectiva, aqueles que queriam praticar sua fé em terras cristãs começaram um triste êxodo.

Giorgio e De Sclavis também estudaram a possibilidade de fugir, mas algo os manteve em Scutari, onde havia uma pequena igreja, considerada o santuário de todo o Reino Albanês. O próprio Skanderbeg tinha visitado esse santuário mais de uma vez para ardentemente pedir a vitória nas batalhas. Agora o santuário estava ameaçado por uma iminente profanação e destruição. Os dois albaneses ficaram aflitos com a ideia de deixar o grande tesouro da Albânia nas mãos do inimigo para fugirem do terror turco. Na sua perplexidade, eles foram para a antiga igreja pedir à Santíssima Virgem o bom conselho que eles precisavam.

Naquela noite, a Consoladora dos Aflitos os inspirou a ambos em seu sono. Ambos tiveram um sonho: a Santíssima Virgem lhes aparece e ordena-lhes seguirem-Na em uma grande Viagem. No dia seguinte foram rezar ao pé da imagem e, em certo momento, viram a imagem se destacar da parede onde esteve pendurada por dois séculos. Deixando seu nicho, ela pairou no ar por um momento e foi, de repente, envolta numa nuvem branca na qual a imagem continuava ainda visível.

A pintura peregrina deixou a igreja e os arredores de Scutari. Viajou lentamente pelo ar numa altitude considerável e avançou em direção ao mar Adriático numa velocidade que permitia os dois albaneses acompanhá-la. Depois de percorrer uns 38 quilômetros, eles chegaram à costa.

Sem parar, a imagem deixou a terra e avançou sobre as águas. Os dois amigos verificam então, estupefatos e eufóricos, que caminham sobre o Mar Adriático, guiados pela própria "Estrela do Mar". Caminharam por vários dias sem comerem, beberem ou sequer cansarem-se. Tinham os olhos fixos na Senhora e A seguiam pelo mar. Eis então, que percebem ter chegado em algum lugar... Era outro País. Língua estranha e a Senhora... Onde estava? Perderam a visão da Senhora e isso os assolou de grande dor... Passaram então a procurá-la, mas sequer sabiam falar o idioma daquela nação. Estavam na Itália, nas proximidades de Roma.

(Imagem: A cidade de Genazzano)

Lá, depois de algum tempo, ouviram rumores sobre uma imagem da Virgem que aparecera miraculosamente em Genazzano. Acorreram para o local e identificaram a imagem como a sua venerada Zoja e Bekueme. Depois disso os dois fixaram morada na cidadezinha.

Aqui inicia a outra parte da história. Quando o papa Sisto III solicitou ajuda dos fiéis para renovações na Basílica de Santa Maria Maior, o povo de Genazzano contribuiu generosamente, recebendo em troca um terreno na sua cidade, onde foi erguida uma igreja sob a invocação de Nossa Senhora do Bom Conselho. Com a passagem do tempo a igreja, sem cuidados, foi caindo em ruínas. Em 1467 uma viúva do local, Petruccia de Geneo, sentiu-se movida a reparar o templo com seus próprios mas reduzidos recursos. Sem encontrar ajuda, ela gastou o que possuía sem conseguir terminar as obras.

Na festa de São Marcos em 25 de abril daquele ano, a população se reuniu para festejar. Por volta das 16h o povo ouviu uma bela música, e procurou de onde vinha. Então viram uma nuvem, em meio ao céu claro, descer do céu e cobrir uma das paredes inacabadas da igreja, lá permanecendo por algum tempo. Quando a nuvem se dissipou, a população atônita viu sobre a parede uma pintura da Virgem com o Menino onde nada existia antes, e então os sinos começaram a tocar sozinhos, atraindo as pessoas de longe para ver o que estava acontecendo. A própria Petrucia, que estava longe, veio depressa, e ao ver a imagem caiu em prantos.


(Imagem: Ícone de Nossa Senhora do Bom Conselho chega a Genazzano)

Depois da notícia se espalhar por toda a Itália, peregrinos começaram a chegar de todos os lugares, e assinalou-se a ocorrência de muitos milagres diante da pintura. Foi tão grande o número de prodígios que foi indicado um notário para registrar os mais notáveis, e este registro ainda existe, listando 171 milagres.

Além de suas propriedades miraculosas, a imagem por si mesma é extraordinária, pois ela desde o século XV permanece como que suspensa no ar, sem moldura ou fixação, afastada da parede cerca de três centímetos, apenas parcialmente tocando uma base em sua borda inferior. Relatos diversos afirmam ainda que a fisionomia da Virgem muda de acordo com certas circunstâncias. O povo da Albânia não esqueceu da imagem desaparecida, e ainda a festeja duas vezes no ano, rezando para que ela volte para sua antiga casa. O papa Pio XII colocou seu papado sob a proteção da Virgem do Bom Conselho.

Compartilhe: