Consagração das Nações

Santa Margarida Maria recebeu a seguinte mensagem para Luís XIV, rei da França:

«Dize ao filho primogênito do meu Coração, que o Padre Eterno, querendo reparar as amarguras e agonias que o adorável Coração do Seu Divino Filho sofreu na casa dos príncipes da terra, no meio das humilhações e dos ultrajes da Sua Paixão, escolheu o nosso grande monarca para a execução de um grande desígnio... O Padre Eterno deseja que esse desígnio se execute da forma seguinte:

1º) Que se levante um templo, onde sobressaia a imagem deste Divino Coração.

2º) Este Coração adorável aí quer receber a consagração e as homenagens do Chefe de Estado e de seus ministros.

3º) Quer ser pintado na bandeira nacional e nas armas do país.


O Sagrado Coração quer estabelecer o seu império nos corações dos grandes da terra. Quer que esta devoção se estabeleça nos seus palácios, para ali ser tão honrado e amado quanto foi ultrajado e humilhado durante a sua Paixão na casa dos príncipes e dos reis...»


Por essa mensagem dirigida ao próprio governo da França, no século 17, Nosso Senhor manifesta o desejo de que a França em particular e em geral todas as nações prestem ao Seu Divino Coração um culto social e nacional.

Luis XIV não atendeu a este pedido. Nem Luís XV e Luís XVI... Ele só foi atendido em 1870, quando estourou a guerra entre a França e a Alemanha. A derrota militar francesa foi logo seguida pela ocupação de parte do país pelas tropas alemãs. Alexandre Legentil , vice de Luís Filipe, e seu irmão, Hubert Rohault de Fleury , fez o voto de construir uma igreja dedicada ao Coração de Jesus, em expiação e penitência pelos pecados cometidos pelos franceses:

"Para reparar nossos pecados e obter a misericórdia infinita do Sagrado Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo, para perdão dos nossos pecados, e os socorros extraordinários que poderão livrar o Papa de seu cativeiro e fazer cessar os infortúnios da França, prometemos contribuir para a construção, em Paris, de um santuário dedicado ao Sagrado Coração de Jesus. "

Esse santuário é a Basílica do Sagrado Coração de Montmartre , o chamado Voto Nacional, cuja construção foi ordenada por uma lei de "utilidade pública", aprovada pela Assembléia Nacional da Terceira República em 24 de julho de 1873, por 382 votos em 734 (fonte: Jacques Benoist, O Sagrado Coração de Montmartre, de 1870 até hoje, Les Editions ouvrières, 1992). A primeira pedra foi lançada 16 de junho de 1875. O interior da nave foi inaugurado em 1891, o campanário (torre de sinos) não foi terminado até 1912. A basílica só foi concluída em 1914 e consagrada em 1919, após o fim da Primeira Guerra Mundial.

Durante a I Guerra Mundial, em resposta ao pedido de Santa Margarida Maria, feito em 1675, mais de doze milhões de bandeiras francesas e escudos adornados com o Sagrado Coração de Jesus eram usados pelos soldados, regimentos, etc. Em 1917, a República proibiu a consagração individual de soldados ao Sagrado Coração.
Mas os oficiais no campo de batalha faziam circular as imagens, escudos e bandeiras do Sagrado Coração. Essa ação silenciosa e seus resultados durante a Primeira Guerra Mundial constituíram a apoteose desta devoção e garantiram sua perpetuação.

(Bandeira com os dizeres: “Sagrado Coração de Jesus, Esperança e Salvação da França”)

O General Foch, comandante do 20º Exército de Nancy, consagrou todos os exércitos franceses e aliados ao Sagrado Coração em 16 de julho de 1918 ... Ele sairia vitorioso e o armistício foi assinado em 11 de novembro de 1918, às 11 horas, na festa de São Martin, apóstolo da Gália!


O Brasil foi consagrado ao Coração de Jesus por 58 senadores, 250 deputados, 55 ministros de Estado e 60 vereadores do Distrito Federal em 24 de julho de 1955.



Fontes:

Os Dois Corações – Ana Maria Bessa, Portugal
Folheto sobre o Ato da Consagração Cívica Nacional do Brasil ao Sagrado Coração de Jesus
Christ Roi (site em francês)


Veja também:
Sagrado Coração de Jesus
A revelação do Sagrado Coração a Santa Margarida Maria. Compartilhe: