Sobre revelações particulares
«A revelação parou com Jesus! Somente Jesus é a Revelação. Entretanto, isto não faz Deus parar de falar em nossos tempos. E Deus fala através de pessoas simples e através de sinais extraordinários que denunciam as limitações da cultura dominante, marcada pelo racionalismo e pelo positivismo. As aparições que a Igreja aprovou oficialmente - Lourdes e Fátima, entre outras - têm o seu lugar precisamente no desenvolvimento da Vida da Igreja no último século…
Cardeal Ratzinger
(depois, Bento XVI)

Quanto ao resto, um dos sinais dos tempos é que as aparições marianas estão sendo multiplicadas no mundo. Nossos relatórios estão se avolumando em nossa seção especial, vindos de todos os continentes. E um dos nossos critérios é o de separar o aspecto da verdade contido nas mensagens ou a presumida sobrenaturalidade da aparição, dos frutos espirituais que algumas dessas aparições estão motivando. O problema para nós se situa não tanto na hipercrítica moderna da verdade científica e da frente que as suas tradições possam fazer diante do maravilhoso das aparições, mas para nós o problema é a vitalidade e ortodoxia da vida espiritual intensa, que se irradia desses lugares, tornando-se frutuosas, benéficas e importantes para a vida do povo cristão.»
(Cardeal Ratzinger, Rapporto Sulla Fede, pág. 112, Edizione Paolini, Torino 1985).

Veja também

Usamos cookies para que você tenha uma melhor experiência de navegação em nosso site